Se liga! Informativo Onda Jovem

sábado, 9 de junho de 2012

Anjos e demônios

O Ser político se diverte, bebe e fuma. Pode ser que seja mais caseiro e da geração saúde. Tem o porte atlético é alto e belo. Quiçá seja baixo, obeso e não tenha sido aquinhoado com a chamada beleza padrão. Tem um andar belo e elegante, ou quem sabe ande curvado e jogando os pés para os lados. Pode ter ainda uma cadeira de rodas como companheira inseparável ou qualquer outra limitação física.

Ouve o velho sertanejo ou o universitário. Gosta de samba, pagode, funk , música clássica ou rock n´ roll. Ele se alegra, se exalta, fala manso ou ergue a voz.  Gosta de contar piadas, de jogar baralho, bater uma bolinha, frequentar festas e reunir os amigos. O Ser político é casado, é solteiro, é mulher, é gay.  Ele é negro, é indígena, é da periferia, mora na zona rural ou em condomínio fechado.

A religião é o seu escudo, seja sinceramente ou em atitudes farisaicas para apenas ganhar votos ou ter status, nunca sabemos. Pode ser ainda agnóstico ou ateu convicto.

Este Indivíduo é um jovem maduro ou sonhador. Pode ser um idoso com muito ou nada a dizer.   É um líder por persuasão ou coerção.  Será que é um grande orador, carismático e encanta platéias?  Talvez ele seja ele um sujeito insosso, simples e humilde, e que mal sabe ler ou escrever.

Defende com unhas e dentes a massa trabalhadora ou o comércio e as indústrias. É operário, médico, funcionário público, advogado, desempregado, estudante ou empresário.

O Ser político acerta, erra, se equivoca.  Ele já esteve no poder ou está tentando chegar lá para trabalhar por seus ideais. Está ao lado de pessoas valorosas e de pessoas inescrupulosas.  Já apoiou ou apoiará pessoas que lhe são caras e também as que não tem ou teve afinidades.

Este postulante ao cargo eletivo, com certeza está em um partido que tem (ou teve) pessoa(s) envolvida(s) em corrupção ou outras atitudes não republicanas.  Desejaria esquecer e que esquecessem coisas que disse no passado.  Ele sonha, ele se frustra.

Não estou defendendo, de forma alguma, figuras nefandas e duvidosas do nosso meio político e que devem ser extirpadas. É apenas uma reflexão sobre o Ser político, que pode ter qualquer uma dessas características citadas, afinal, como diria Raul Seixas, ele é humano, ridículo e limitado, assim como nós. Não existem super-heróis, todavia, aquele que trata (ou vier a tratar) a rés pública com seriedade, ética e dedicação, tende a se sobressair sobre os outros. E que bom que seja assim...

Nenhum comentário:

Postar um comentário